Feliz Ano Novo!

Olá amores....Adoro esse clima de gratidão, esperança, renovação e emoção que o final de ano traz.
Quero muito agradecer a Deus, minha família  e  vocês, que mesmo o blog tendo ficado um bocadinho rs... parado não deixaram ele de lado. Amo esse cantinho e podem ter certeza que ficar longe é muito difícil.
Desejo de todo coração que no ano que se inicia estejamos juntinhos, tudo de lindo e abençoado na vida de todos vocês, e muita, mas muita saúde. Que Deus não esteja só em nossos discursos, mas em nossa alma e em nossos corações, porque assim podem ter certeza que tudo de lindo acontecerá em 2015 nas nossas vidas.

Esse vídeo simboliza tudo o que desejo à vocês.
FELIZ 2015










Cálculos Biliares



Olá amores...no dia 12/12 fiz uma cirurgia para retirada da vesícula, pois, a mais ou menos dois meses, em um exame de rotina foram encontradas duas rochas rs..., pedras ou tecnicamente falando, cálculos biliares. Fiquei um pouco assustada porque quando perguntei para a médica que fez meu ultrassom como era o tratamento, ela  já soltou um, não tem tratamento, tem que retirar a vesícula. Já fiquei morrendo de medo, pra completar, quando levei os exames ao médico, com todo cuidado e carinho, sqn, ele me disse, se livra logo disso ai que é uma bomba (quanto carinho né? rs..), aí me mandou procurar um cirurgião, porque ele não era.
Comecei a pesquisar muito, mas muito, sobre o assunto na net, li vários depoimentos de pessoas que haviam feito a cirurgia, alguns me tranquilizaram, outros me assustaram Procurei um médico muito querido, ele me indicou um cirurgião, e lá fui eu com a cara e sem coragem...morro de medo de cirurgias rs..
Hoje fazem 4 dias que fiz minha cirurgia. A cirurgia em si foi tranquila, no meu caso, o ruim foi a volta da anestesia ( sou um pouco mole), dormia e acordava o dia inteiro e vomitei um pouco, o que é normal. No dia não senti muita dor, só no dia seguinte que senti bastante dor no ombro direito, mas pelo que já li, também é normal, por conta da posição e um gás usado para expansão do abdome. Mas com o passar dos dias as dores estão diminuindo, ontem troquei meus curativos pela primeira vez, os pontos são pequenos, fiz por laparoscopia.
Graças à Deus não cheguei a ter crises horrorosas, só sentia um pouco mais quando comia gordices gordurosas, mas, quando soube o problema já fiz questão de mesmo com medo resolver logo.
Coloquei aqui um texto explicando um pouquinho sobre o que são cálculos biliares ou “pedras” na vesícula

O que são cálculos biliares?
Cálculos biliares, cálculos na vesícula ou “pedras” na vesícula são termos usados para referir-se a concreções que se formam no interior da vesícula biliar, um órgão que se localiza junto ao fígado e tem a função de armazenar a bile produzida por ele. Em grande parte (cerca de 90%) esses cálculos são formados de colesterol e, em menor parte (cerca de 10%), por pigmentos de bilirrubina. Os cálculos biliares podem ser únicos ou múltiplos (às vezes centenas), e se formam no interior da vesícula, podendo migrar para os ductos que a ligam ao intestino. Eventualmente, podem causar infecções na vesícula ou obstruir o colédoco (canal de escoamento da bile), causando dor aguda, conhecida como cólica biliar.
Quais são as causas dos cálculos biliares?
Existe uma inegável predisposição genética, mas há outros fatores que favorecem o aparecimento dos cálculos na vesícula, como:
  • Obesidade.
  • Perda importante de peso.
  • Uso de anticoncepcionais orais.
  • Dieta rica em gorduras.
  • Pressão arterial elevada.
  • Vida sedentária.
  • Tabagismo.
  • Anemia hemolítica crônica, em virtude da destruição das células vermelhas do sangue.
Esses distúrbios predominam no sexo feminino, na idade avançada e na gravidez.
Quais são os sintomas causados por cálculos biliares?
Muitas vezes, os cálculos na vesícula são assintomáticos e a pessoa nem imagina que os tenha. O sintoma mais gritante que produzem é a cólica biliar, que ocorre quando provocam inflamação da vesícula ou quando migram, obstruindo os canais que drenam a bile, causando uma distensão aguda da vesícula biliar.
Como o médico diagnostica a presença de cálculos biliares?
A história clínica do paciente, em geral bastante característica, é o primeiro dado sugestivo. A confirmação dos cálculos pode ser feita por meio da ultrassonografia abdominal, uma vez que eles, ao contrário dos cálculos renais, não aparecem na radiografia simples do abdome. Também a cintilografia pode ser utilizada e fornece informações sobre o fluxo de bile e, indiretamente, sobre os cálculos.
Como é o tratamento dos cálculos biliares?
Alguns medicamentos podem atuar dissolvendo os cálculos e podem ser indicados para os pacientes que não apresentam sintomas. Seus efeitos, no entanto, não são seguros. Outras vezes eles podem ser retirados por laparoscopia ou por uma cirurgia convencional que retire toda a vesícula. Outro tratamento possível é a litotripsia extracorpórea. Nessa técnica, ondas de choque são aplicadas na superfície do abdome, dirigidas aos cálculos, com o objetivo de fragmentá-los em pedaços menores que possam ser eliminados. Porém, as indicações desse tratamento são restritas. Cada uma dessas técnicas têm suas indicações e contraindicações específicas que, no caso concreto, somente o médico assistente pode julgar.
Quais são as possíveis complicações dos cálculos biliares?
  • Colecistite aguda: inflamação aguda das paredes vesicais, na maior parte das vezes (95%) causada por cálculos biliares.
  • Coledocolitíase (ou “pedra” na vesícula): desenvolve-se quando o cálculo obstrui o colédoco, gerando cólica biliar.
  • Colangite: infecção dos canais biliares por bactérias, após a obstrução.
  • Pancreatite: inflamação do pâncreas. O canal de excreção da bile se junta com o canal de excreção pancreática do pâncreas. Quando a obstrução ocorre após a junção, o suco pancreático também se represa, causando uma inflamação do pâncreas.


Radiofrequência


Olá meninas...quem me conhece sabe que eu amooooo minha profissão, amo poder usar tecnologias diferentes para melhorar a auto estima das pessoas, ( e a minha também claro rs...), hoje vou falar de um dos meus aparelhos preferidos, e que se bem aplicado e com responsabilidade, ajuda bastante nos tratamentos estéticos.
Bora lá...





A radiofrequência terapêutica é uma técnica considerada não ablativa, que bem aplicada e com temperatura controlada é capaz de produzir efeitos importantes como estimular um novo colágeno, sem danificar a epiderme, estimulação linfática e ajudar na lipólise. "Esta energia é conduzida elétricamente no tecido, produzindo elevação da temperatura tecidual quando a resistência do inerente do tecido(impedância) converte corrente elétrica em energia térmica". Este parece ser o fundamento mais importante da radiofrequência.

Essa técnica ao aumentar a temperatura interna, provoca uma vasodilatação capaz de manter em atividade os fenômenos biológicos  relacionados com a vitalidade tissular, já que assegura a presença de uma população celular jovem ao intervir em sentido positivo nos processos proliferativos mitóticos do extrato germinativo. Graças à vasodilatação induzida, incrementam-se a circulação sanguínea e linfática, com uma importante melhora dos aportes nutricionais e oxigenativos, estimulando-se a atividade da respiração endocelular e a expulsão dos radicais livres.

Esses têm sido identificados recentemente como os maiores responsáveis pelo envelhecimento cutâneo, e deles depende o aspecto hipotônico da pele envelhecida. Tudo isso explica o grande poder de regeneração que se consegue com a radiofrequência.

Logo após a primeira sessão já é possível se notar estiramento da pele, isso ocorre pela expressiva retração das fibras de colágeno, reafirmando a estrutura da pele e melhorando a aparência.

Indicações:

Flacidez de pele facial e corporal
Fibroses recentes e tardias 
Cicatrizes e aderências
PEFE ou FEG ( Celulite)
Adiposidade localizada
Edema 
Contratura muscular
Fibromialgia
liberação miofascial
Dor muscular

Contra indicações:

Gestantes
Preenchimentos
Marcapasso
Neoplasias
Artrite
Próteses metálicas
Tromboflebites

Obs: É de extrema importância que o profissional que aplica esse tipo de procedimento esteja capacitado e apto a realiza-lo com segurança e responsabilidade, e que  a pessoa que vai se submeter a ele, certifique-se disso. Depois, é só associa-lo a atividade física e uma boa alimentação, e desfrutar do corpinho novo rs...

Referências:
Agne, Jones Eduardo. Eletrofototerapia/ Jones Eduardo Agne- 2 ed - Sta Marta, RS 2013

Olheiras


Olá amores... Quantas saudades desse nosso espaço.
Fiquei afastada por um tempo por motivos pessoais, mas, estou de volta para podermos trocar ideias sobre o universo feminino. E pra começar, vamos falar sobre as incomodas olheiras. Bora lá.

Causas básicas das olheiras: deposição de pigmentos escuros produzidos pelos melanócitos, em torno dos olhos; pele fina demais, permitindo a visualização dos vasos capilares (vasinhos externos); ou presença de olhos fundos e protuberância de bolsas de gordura embaixo dos olhos.
Entenda os fatores que contribuem para seu surgimento:
ÞGenética: Não tem olheira quem quer, só tem olheira quem pode, ok?  Como muitas outras características, a predisposição genética é fundamental para que ela apareça. Nem precisa dizer que não há nada a fazer a respeito, certo?

ÞAlergias: Um histórico de alergia respiratória, como rinite, sinusite e bronquite agravam as olheiras. E não há creme milagroso que cure a danada se a alergia respiratória não estiver, também, controlada.

Þ Sono:  Não adianta insistir: Se você não tem uma boa noite de sono, não há como deixar de ter olheiras. O efeito "panda” é consequência direta  da falta do descanso e da má irrigação no local. Desligue a internet e durma bem...Já é um ótimo começo!

ÞA anemia é um dos maiores problemas nutricionais do mundo, mas pode ser evitada com o consumo dos alimentos certos. A doença causa a falta de oxigenação da pele e, na região do olho, isso pode ser percebido mais facilmente. Contudo, a olheira por si só não indica a anemia. A doença costuma causar também dores de cabeça, memória ruim, facilidade de infecções e fadiga.

 Tratamentos:

ÞTópicos: entre as substâncias recomendadas estão o retinol, as vitaminas C e E, o green tea, a cafeína, a kombuchka e vitamina K.

ÞLasers: podem ser feitos com a Luz Intensa Pulsada (LIP) ou CO2 Fracionado, que melhoram não só a pigmentação como também as rugas finas e flacidez associada.

ÞCarboxiterapia: é feita com injeção de gás carbônico (CO2). Pelo CO2 ter mais afinidade pela hemoglobina que o oxigênio (O2), ele o desloca, e na sua forma livre aumenta o metabolismo local, diminuindo a congestão vascular.

ÞPreenchimento:  é feito com a aplicação de ácido hialurônico no sulco naso-jugal. Ele preenche a área encovada, deixando-a mais plana, além de hidratar o local.


Pesquisando encontrei esta imagem no G1 e achei bem explicativa.